Nelson de Medeiros

BUQUÊ DE ROSAS

BUQUÊ DE ROSAS

 
No corredor do velho santuário,
Trazendo rosas e terço na mão,
Passou por mim, qual fosse ficção,
Minha musa rezando o seu rosário!
 
Sua presença era o próprio cenário;
Com gesto leve e terno de oração
Fez calar a descrente multidão,
E encheu de luz o velho campanário!
 
Mas, o desejo me chegou ao vê-la...
Quem dera  pudesse tão rara estrela,
Voltar ao céu da minha solidão!
 
Não pude me conter; rolou-me o pranto,
Pois, fora um dia, todo o meu encanto,
Aquela noiva de  buquê na mão!

Nelson de Medeiros

05/2001

Comentários8

  • Cecil

    Linda homenagem ao antigo amor! Parabéns, poeta! Às vezes deixamos para depois o amor, mas o amor é agora. Amenos agora, o resto pode esperar. Bom dia!

    • Nelson de Medeiros

      Boa tarde, amigo poeta.
      Sim, com certeza. Amores antigos que muitas vezes deixam marcas,

      1 ab

    • Jucklin Celestino Filho

      Que coisa linda!Belíssimo soneto!"Pois fora um dia todo o meu encanto, aquela noiva de buquê na mão !"
      Fechasse o poema com chave de ouro!
      Parabéns, mestre dos sonetos!

      • Nelson de Medeiros

        Boa tarde, grande poeta !
        Prazer enorme receber teus comentários.
        1 ab

      • CORASSIS

        Bela homenagem !
        Teus sonetos são fora da curva !
        Bravo meu amigo ! abraço.

        • Nelson de Medeiros

          Boa tarde poeta.
          Pois é... Mas, a reciproca é verdadeira....

          1 ab

        • Rosa Desirre


          "Não pude me conter; rolou-me o pranto,
          Pois, fora um dia, todo o meu encanto,
          Aquela noiva de buquê na mão!"

          Uma pessoa como eu não pode ler um verso desse e não se emocionar...
          Que coisa mais linda!
          Parabéns.

          • Nelson de Medeiros

            Boa noite poeta.
            É o teu romantismo que emociona, sempre...

            1 abração.

          • Elfrans Silva

            Lindíssimo poema Nelson de Medeiros.
            Quanta coisa passou pela sua cabeça nessa hora, não é? Abraços poéticos, meu querido

            • Nelson de Medeiros

              Boa tarde companheiro.

              Pois é... São os grandes mistérios dos encontros e desencontros de outras vidas, talvez?
              1 ab

            • Claudia Casagrande

              poderia chamar:
              soneto encantado,
              soneto emocionado,
              soneto amado...
              ou, o soneto mais lindo.

              um grande abraço

              • Nelson de Medeiros

                Boa tarde minha amiga poeta.
                Ah! Você pode chamar do que quizer meus poemas, mas desde que não deixe de me visitar, viu?
                1 abraço com muito carinhiro.

              • Cecilia

                Muito lindo! Abraço.

                • Nelson de Medeiros

                  Boa tarde nobre poeta.
                  Sempre um prazer enorme vê-la aqui por estas bandas.

                  1 ab

                • Anny

                  A saudade de um grande amor, inspira com certeza! Parabéns, poeta! Bom dia!

                  • Nelson de Medeiros

                    Bom dia poeta Anny.

                    Feliz por te vr aqui em minha escriva.
                    1 ab



                  Para poder comentar e avaliar este poema, deve estar registrado. Registrar aqui ou se você já está registrado, login aqui.