Poeta usa a literatura de cordel para conscientizar sobre COVID-19

Literatura de cordel foi usada ajudar a conscientizar e orientar a população sobre o COVID-19.

literatura de cordel cordelista poeta

Chiquinho do Além Mar, pseudônimo de Francisco Passos Santos, é um cordelista natural de Aracaju, município de Sergipe. E ele enxergou na literatura de cordel uma forma de ajudar as pessoas nesse momento de pandemia.

O poeta compartilhou um poema seu, escrito usando esse gênero literário, no qual ele passa informações importantíssimas sobre como atuar diante do coronavírus.

Veja abaixo um trecho do poema do cordelista:

 

 

Sobre Chiquinho do Além Mar

Além de poeta, Chiquinho do Além Mar é também professor, músico e compositor. As obras do poeta aracajuano buscam contar a história e a cultura do povo de Aracaju usando o humor, a poesia e também a linguem natural da região.

O poeta começou sua carreira ainda na infância, há cerca de 20 anos, quando vendia queijo na Orla de Atalaia e já escrevia seus primeiros poemas usando a literatura de cordel.

Chiquinho aprendeu sobre esse gênero literário no começo dos anos 2000 quando surgiu o cordelista sergipano e cordel-o-teca João Firmino Cabral. Assim, ele aprendeu as técnicas para compor usando cordel e tempos depois já estava se apresentando como cordelista em sua região.

O primeiro cordel lançado pelo poeta aracajuano foi no ano de 2005 com a obra “João Bebe Água o Rebelde de São Cristóvão”. Mas isso só aconteceu depois de Chiquinho ter feito muita pesquisa histórica e aperfeiçoado sua técnica como cordelista.

Francisco Passos Santos também toca no trio nordestino conhecido como “Forró de Mala e Cuia”. Junto com o trio, ele lançou um cd contendo músicas com temas regionais e contando sobre a cultura e belezas de Aracaju.

E o poeta não se tornou conhecido apenas no seu município, mas ele já foi até mesmo destaque no evento “Festival de Cultura Brasileira” em Viena.

Enviar comentário