Médico encontra refúgio na poesia para escapar da pandemia

Foi na poesia que o médico psiquiatra Marcos Estevão encontrou refúgio para escapar da pandemia.

Médico encontra refúgio na poesia para escapar da pandemia

Que a poesia acalma, alegra e emociona, disso muitos sabem. Mas ela também foi uma porta de escape para muitos nesse período de medo e incertezas causado pela pandemia do coronavírus.

E foi na escrita poética que Marcos Estevão dos Santos Moura, médico psiquiatra que reside em Mato Grosso do Sul, no Brasil, encontrou um pouco de paz.

 

O refúgio encontrado nas palavras da poesia para fugir da pandemia

Ele conta que o coronavírus afetava a saúde física, aliando-se ao medo e o isolamento. Quando ele precisou se afastar do trabalho, foi nesse tempo que ele se refugiou na poesia, escrevendo poemas que mais tarde fariam parte do seu mais novo livro (o sexto) “Távola de Palavras e Silêncios”.

Nesse livro ele narra os sentimentos que culminaram com a pandemia em sua vida, mas ele vai além de aborda outros temas como amizades, sua arte e sobre o Pantanal.

Nas palavras do médico e poeta:

E ele ainda segue dizendo que:

O livro será lançada hoje em Campo Grande, na Livraria Lê. Mesmo sendo presencial, todos os protocolos de segurança serão seguidos, sendo o uso de máscara algo obrigatório.

Enviar comentário