Ema Machado

O peso da noite..



 

 

Sou negro, sim!

Arrancaram-me de minha nação

A ira, desceu sobre mim

Deram-me à servidão

 

Escravidão, a qual não esqueço

A noite pesa, eu a carrego e é meu pecado

Tatuou-se em minha pele como adereço

Minha pele não é livre, é ré, portanto sou condenado

 

Não grito pela dor, mas pelo olho que a mim fere

Sem estrelas, sempre foi o meu mundo

Sou da noite, de alma alva como neve

Meu sangue é vermelho, não imundo

 

De minha cultura tenho orgulho

Canto, danço, formamos esta terra

Negro, é o olho que a mim tortura

Se sou preto, sou branco, amarelo, não sou impuro

 

 Disso tudo, o que realmente importa

É a nobreza do humano, que diz não a guerra

Ou à negritude da alma impura, que lhe dá as costas

 

Ema Machado 19/11/2020

 

 

 

Comentários4

  • lucita

    Contundente realidade!
    Boa noite de sábado!

    • Ema Machado

      Obrigada, poetisa! Grande abraço,

    • Hébron

      Poema forte e muito necessário!
      Abraço, poetisa

      • Ema Machado

        Obrigada, poeta! Grande abraço,

      • NeivaDirceu

        Lindo poema, forte , belo e colorido de amor ... Obrigada Emma... Belo é teu versejar...

        • Ema Machado

          Obrigada, menina! Grande abraço.

        • Ernane Bernardo

          Belo poema, e não é apenas um poema, reflexão para a alma. Parabéns poetisa Ema Machado.
          Forte abraço!

          • Ema Machado

            Obrigada, poeta! Excelente final de noite.



          Para poder comentar e avaliar este poema, deve estar registrado. Registrar aqui ou se você já está registrado, login aqui.