Nelson de Medeiros

FENDAS DO PASSADO



FENDAS DO PASSADO

 

Ah! Porque fui penetrar nas fendas do passado!

Que estranho sentimento é este que me abraça?

No cais da minha alma teu rosto era barco atracado,

Veleiro a espera do vento pra lançar-se mar adentro!

 

Por isso a tua lembrança a razão trespassa

num raio atroz que me fulmina... Doce pecado!

Ah! Porque fui penetrar nas fendas do passado!

Que estranho sentimento é este que me enlaça?

 

Tua voz, pra mim, já não é mais sopro calado

Que nas noites solitárias meu sonho acalentava!

 

Teu corpo, tão distante e inalcançado,

Agora se vislumbra entre brumas de esperança!

Ah! Porque fui penetrar nas fendas do passado!

Nelson de Medeiros

Comentários5

  • CORASSIS

    Que poema lindo!!! , mesmo tendo nostalgia ,
    e essa musica ,é uma das que eu mais gosto.
    Grande mestre sempre nos emocionando !
    Obrigado pela postagem , parabéns ,abraço .

    • Nelson de Medeiros

      Boa noite poeta.
      Muita bondade sua e muita consideração.

      1 ab

    • Jucklin Celestino Filho

      Perfeito, belíssimo rondel à pessoa amada, agora distante, mas presente na lembrança.
      Parabéns, nobre poeta.
      Forte abraço!

      • Nelson de Medeiros

        Boa noite poeta.
        Sempre generoso com meus parcos versos.

        1 ab

      • Rosa Desirre

        Poema mais lindo cheio de sentimentos
        Parabéns!

        • Nelson de Medeiros

          Boa noite poeta.
          Presença sempre aguardada voce me incentiva, moça.
          Obrigado de coração
          1ab

        • daniella krattz

          Magnífico!

          • Nelson de Medeiros

            Boa noite Daniella
            Fico extremamente feliz quando vejo você aqui a comentar meus versos.

            1ab

          • Claudia Casagrande

            Uma obra de arte encantadora.
            Parabéns!
            um abraço

            • Nelson de Medeiros

              Boa tarde poeta.
              Sempre um prazer ler teus comentários.
              1ab



            Para poder comentar e avaliar este poema, deve estar registrado. Registrar aqui ou se você já está registrado, login aqui.