Chico Lino

O MOLEQUINHO CANTOR

O MOLEQUINHO CANTOR
Chico Lino

O ar estava úmido naquela manhã
Chovera muito pela madrugada

Viajavam poucas pessoas
De pé naquele ônibus
Que sacolejava o sono de todos

De súbito

Numa parada
Na Rua Real Grandeza

A porta dianteira aberta

Surge um garotinho negro
Bem neguinho para clarear
Aquela plúmbea manhã

Com seus cinco, seis anos
Metidinho num conjunto
Azul marinho, listras brancas

O neguinho discursou
Qualquer coisa sobre o desemprego dos pais
E a necessidade de alimentar
Os irmãos menores

Sorrindo, dentes brilhantes
E os olhos muito vivos

Em tom de aviso, disse
Que se nos cotizássemos
Com cinco "barões" pro café
Cantaria uma música
Para que todos
Chegássemos felizes
Como ele no trabalho

Comentários1

  • Cecilia

    Muito linda essa história simples, tão bem contada. vou dormir feliz como o cantorzinho. Abraço

    • Chico Lino

      Obrigado Cecília, pelo carinho do comentário... um grande amigo, Cláudio Henrique, ou Cláudio AGA, compositor e cantor, compôs um linda melodia para ela; aguardo a finalização dos arranjos com certa ansiedade para publicar aqui...
      Forte abraço, aguardemos...



    Para poder comentar e avaliar este poema, deve estar registrado. Registrar aqui ou se você já está registrado, login aqui.