Zaira Belintani

Eu me Lembro

Eu me lembro
Do teu cheiro
Cheiro de leite e suor.
Na tua lida sagrada
Corrias por todo lado
Desde o raiar do dia
Realizando milagres
Com tuas mãos de fada.
Do tanque para o fogão
O ventre redondo ao calor
Da lenha que fumegava
A fumaça, inalação
Enquanto fazias o pão
Nosso pão de cada dia.

Eu me lembro
Teus cabelos 
Recolhidos às pressas
Presos por uma travessa
De madrepérola.
Se o fardo te pesava  
Jamais ouvi um protesto. 
Á tardinha tu sentavas
E com agulha de mão
Cerzias as roupas
Pregavas botão 
Amamentando o caçula
Enquanto me
ensinavas
No caderno a lição.

Não te coube a tua casa
Não bastava toda a obra
Possuías tempo de sobra
Para o mundo vistar
Com tua faina ajudar.
Tantas pedras recolheste
Que outra morada fizeste
Esta que habitas agora.
E quando a vida me apavora
Tua lembrança me acalma!
O cheiro, o suor, o leite 
Fragmentos da memória 
São sentidos permanentes
Impregnando minha a
lma.

Comentários6

  • NeivaDirceu

    Nossa, Zaira , mais que uma declaração de amor, o " para sempre em cada ação" lindo de se ler... Gratidão!

  • Zaira Belintani

    Fico muito feliz por sua manifestação, Neiva!
    Mãe é um assunto inesgotável!
    Fácil transformar em poesia.
    Abraços!

  • CORASSIS

    Belíssimo poema poetisa!
    Escreveu com maestria .
    Bravo!
    Abraço.

  • Elfrans Silva

    A minha está entre nós ainda. 86 anos vividos. Gravei uma canção pra ela.
    Os cabelos branquinhos. Entendo quando dizes que se lembra. Amor que jamais se esquece. Justa homenagem. Festas lembranças. Te parabenizo por nobres linhas.

    • Zaira Belintani

      Que bênção ter sua mãe ainda com você! A minha, mesmo depois de partir continua presente.
      Abraço, poeta!

      • Elfrans Silva

        Abraços Zaira. Alguns acham que elas nunca vão

      • lucita

        A minha era divertida, mesmo em meio a momentos difíceis.
        Vencia com o bom humor as rusgas da vida dura.

        • Zaira Belintani

          Acho que era o perfil das mulheres daquela geração. Sempre prontas para tudo sem tempo para reclamar da vida. Mulheres fortes de fato.

        • Eras

          Belo poema e homenagem, poeta.



        Para poder comentar e avaliar este poema, deve estar registrado. Registrar aqui ou se você já está registrado, login aqui.