Sara Stefanie

REPENTINA MUDANÇA (Amor)


Aviso de ausência de Sara Stefanie
NO

 

O cálice da vida estava perdida e desorientada. Envenenada para sempre e condenada.

Nada havia em torno de se sí senão uma treva densa e descasada

"E contemplei o coitado... O desgraçado monstro em que eu havia criado"

 E encontrei em mim em meu coração escasso um feixe de luz brilhante em que me penetrava

Formando raizes profundas e que se aconselhavam em um fio ao que todos chamam de vida.

E nada contribuiu tanto para tranquilizar a minha mente

Um ponto no qual se possa fixar a alma

 O que eu mais quero é um estado durável de plenitude e clamor

E melhor séria você ao meu lado.

Mas se isso não for possível que Deus não me deixe sofrer por amor.

E o que eu conclamo é o bem estar de meu namorado

Mas nada é tão caloroso para a mente humana quanto uma grande e repentina mudança.

E por tudo que é mais sagrado neste mundo desejo a você sempre em minha lembranças.

 

  • Autor: Sara Stefanie (Pseudónimo (Offline Offline)
  • Publicado: 20 de Outubro de 2020 11:13
  • Comentário do autor sobre o poema: Oi gente. Esse é um dos meus poemas mais profundos, o que acharam?
  • Categoria: Amor
  • Visualizações:
  • Usuário favorito deste poema: Luiz Rossini.

Comentários5

  • Maria dorta

    Cantar o amor é sempre um desafio,mas faz bem à alma, e espanta o frio.

  • Menino e a Lua

    Bonito e profundo ! Parabéns !

  • Carine Seganfredo

    Achei bem profundo, retrata uma histporia de amor e o medo de ser deixada.Lindo poema.

    • Sara Stefanie

      Sim exatamente!, e mesmo que se não desse certo, eu desejaria o bem estar de meu companheiro. Muito obrigada por comentar

    • Cecilia

      Sara, gostei de ler o seu poema. Aproveito este espaço para agrdecer sua gentileza de destacar como preferido o meu sec XXI. (Sou desajeitada com moderna comunicação, não achei i lugar certo.)

    • Shmuel

      Sara, você é uma baita poeta. Tenho certeza que deste baú sairá pérolas, tão rara quanto este belo texto
      Abraços.



    Para poder comentar e avaliar este poema, deve estar registrado. Registrar aqui ou se você já está registrado, login aqui.