CORASSIS

Cada gosto



Conheço bem cada desgosto
o vinho barato também
deixou de ser o santo oposto
satisfaz o paladar e serve de amém

Aleluia! o enorme mar é salgado
a população marinha dá proteção
perdão primeiro ao anjo soldado
o doce desta caminhada exceção

E na terra o sal dá tempero a vida
Lágrimas são atrizes divinas
adornam a eterna  lista de petição
 
O vinho barato torna a vida colorida
o caro vinho não alegra o coração indisposto
Deus meu, mê de o sal do mar,  não amarga solidão

Comentários6

  • NeivaDirceu

    Nossa, "Deus meu, me dê o sal do mar, não amarga solidão"... Tocou-me profundamente, faço os mesmos rogos, Poeta... Gratidão pela partilha!

  • lucita

    Poeta é poeta mesmo!
    Quanto esmero nessa partilha!
    Saudações...

  • Edla Marinho

    Um gosto ler-te, amigo Corassis.
    "lágrimas são atrizes divinas" muito lindo!!
    Tenha uma noite de paz e um feliz domingo.
    Meu abraço.

  • Maria dorta

    Revelando sensibilidade e originalidade você nos leva de roldao para dentro do teu coração e assim captura nossa atenção no roldao das tuas emoções.bravo!

  • Ernane Bernardo

    Belíssimo soneto, um glamour meu caro poeta Corassis. Concordo plenamente, "lágrimas são atrizes divinas". Favorito!

    Um grande abraço!

  • Hébron

    Meu amigo, encantadora poética, estilo e charme transbordam pelos sensíveis e eloquentes versos.
    Gostei muito da sua inspiração.
    Abraço



Para poder comentar e avaliar este poema, deve estar registrado. Registrar aqui ou se você já está registrado, login aqui.