Lilian Fátima

A mãe de Clarice

A mãe de Clarice

foi quem me disse,

numa das visitas que fiz por lá

que apesar de toda sandice,

este mundo não vai acabar!

 

Eu vejo muita esquisitice.

Tempos mudados.

Comportamentos errados.

Desalentada! Inconformada!

Naquele momento, me contive!

 

E continuou, a mãe de Clarice...

Falando de tudo com segurança

que o pecado não vinga,

e o reino dos céus é de bonanças,

e quem crê , para sempre vive.



Eu, um tanto incrédula,

me atrevi e lhe disse.

E, ás vezes, Deus não se engana?

Oras! Bradou, a mãe de Clarice!

Que loucura!

Deixa de tolices!

Agradeça, ore e não reclama.

Deus a todos ama.



Foi a mãe de Clarice

quem me disse,

que a Esperança não pode morrer,

mesmo com tanta maldade

enquanto houver vida na Terra,

O bem há de sempre vencer.



Ali junto com a mãe de Clarice

conheci seu mundo de fervor;

contou fatos de sua meninice

até a fase de mulher casada,

com simplicidade e sem pudor.

Soube eu das agruras que sofreu;

o quanto chorou e padeceu

Me furtei a interromper...

Deixei a narrativa me envolver.

Era a vida me ensinando a viver.



Ouvi as histórias de sua vida

com atenção e respeito.

Falou de sua família e

de como amparou os pais

na velhice.

A doença, a morte, a fé inabalável

tudo isto me contou ,sem amargor,

a mãe de Clarice.

 

As horas se passaram sem eu perceber;

Fiquei entusiasmada com a sabedoria

que traz o viver.

Alheia as desventuras do mundo ao seu redor,

Aproveitando o seu melhor

Indiferente a divergências e esquisitices;

no aconchego do colo, adormecia ao ser amamentada, 

a esperança sendo ali embalada,

a pequenina, Clarice.





 

Comentários1

  • Nelson de Medeiros

    Muito bom , poeta. Boa tarde.
    Parabens pela criação.

    1 ab



Para poder comentar e avaliar este poema, deve estar registrado. Registrar aqui ou se você já está registrado, login aqui.