Hébron

Lucidez

 

Desafia-me a própria lucidez

Além do contraste das minhas sombras!

Apego-me ao tempo e ele de mim foge

Incompreendido, incompreensível...

Estendo a mão à altura e ela me desouve

E me escarnece inatingível...

O horizonte ao longe se mantém distante

Inalcançável por qualquer caminho

Ignora esguias estradas e o destino

Mas reverencia o meu olhar fixo ao longe...

Resta-me o chão que me abraça os passos

Em desapego, acolhe as minhas raízes

Chão firme, terra preta ou de outras matizes

Ajuda a me encontrar através dos meus rastros

Encoraja-me asas, sem receio de me perder

Sustenta as vias do ir e do voltar...

Sem a humildade do chão não iria saber

Que toda senda começa com o valor

E a proximidade do primeiro passo

Mesmo o caminho que nos eleva ao espaço

Ao desconhecido ou que nos revela o amor

Amor, esse recanto onde guardo o afeto

Vejo uma luz que não vai se apagar

Iluminando o percurso por onde vou

E vejo as sombras dizendo quem eu sou

Não permitindo me perder no trajeto:

Eis a própria lucidez a me desafiar

E ao mesmo instante me guiar!

 

Comentários3

  • Nelson de Medeiros

    Boa noite, poeta.

    Elogiar teus textos é cair no lugar comum.
    1 ab

    • Hébron

      Muito obrigado, Nelson!
      Abraço, meu amigo

    • Cecilia Merces Vaz Leandro

      Gostei muito! Reflexão interessante sobre a lucidez, que nos ensina os passos e os grandes voos!

      • Hébron

        Obrigado, poetisa, pela leitura e gentil comentário! É um incentivo!
        Abraço

      • Bruh Poesias e Luz

        Que profundo.Amei as nuances sobre a lucidez nas suas palavras!

        • Hébron

          Obrigado, poetisa!
          Fico muito feliz com seu comentário.
          Abraço



        Para poder comentar e avaliar este poema, deve estar registrado. Registrar aqui ou se você já está registrado, login aqui.