Marcos Valerio de Souza

PAIXÃO CEGA

 

PAIXÃO CEGA

 

Com minha tez ressequida

Com meu andar claudicante

Com meu aflato ofegante

Vou dando passos na vida...

 

Em cada paragem, o pensamento

Dentro de mim fumega:

Pra onde foi a paixão cega

Que dantes era aprisionamento?

 

Perdeu, sem dúvida, o primor

Pois, só a essência bosquejo

Maturo, hoje posso afirmar

 

Não tenho mais grandes desejos

Exceto o de apenas amar

Até morrer de amor.

 

 

     MARCOS VALÉRIO DE SOUZA

 

 

 

 

 

Comentários5

  • Nelson de Medeiros

    Bom dia poeta.
    Excelente soneto.

    1 ab

  • Maria dorta

    Lindo e inspirado soneto. Não te preocupes,o Amor vai estar sempre a te procurar, deixe- o te encontrar!

  • Menino e a Lua

    Poeta, ótimo soneto...oque me faz questionar é, em tempos em que o mundo é uma grande rede social ditando padroes de beleza, sera que estamos perdendo tal forma de amar?. Obrigado pela reflexão

  • Edla Marinho

    Boa noite, poeta.
    Paixão é bom de sentir, porém passa não é?
    Raras vezes sobrevive, aí era amor...
    Lindos e verdadeiros versos.
    Meu abraço.

  • Valdeci Malheiros de castro

    Bom dia, poeta. Um soneto de amor ë sempre uma leitura prazerosa. Um abraço.



Para poder comentar e avaliar este poema, deve estar registrado. Registrar aqui ou se você já está registrado, login aqui.