Maria dorta

Escolhas

Você  vive e/ ou morre pela boca

na escolha que faz do que comerá  ou bebera'

Pela boca você fabrica saúde 

ou acumula elementos que a danificarao

Vai ingerindo veneno que,num futuro próximo 

vai leva- lo a' morte,envelopando-o num ataúde.

Controlados pelo prazer,tentamos em vão 

a dor evitar: um prazer é  seguido de desprazer.

Sim,prazer acaba,nele não se vive à  exaustão.

Prazer e dor estão juntos como cara e coroa.

Como yin-yang,jumelados estão.

A boca é  chave

E chave é  controle

Urge escolher o que nela entrará, 

mas ,também , o que dela saíra'!

Controlar a língua,nunca e' demais.

Ser sábio  é aprender a calar.

Não  deixar escapar palavras- espinho

Elas ferem,fazem ferida sangrar

Melhor no lugar,palavras- flores usar.

Essas,vaidades vão enfeitar

e costumam pantanosos egos perfurmar.

Cala-te boca! Melhor morder a língua!

E assim,abrir feridas evitara'.

E não ver sangue jorrar,eles são difíceis de estancar.

M aria V. Dorta  31.07.2020

 

Comentários1

  • Nelson de Medeiros

    Bom dia poeta. Não atoa que que temos uma boca e dois ouvidos. Melhor ouvir do que falar.

    1 ab



Para poder comentar e avaliar este poema, deve estar registrado. Registrar aqui ou se você já está registrado, login aqui.