Maria dorta

Grito

Nos descampado caminhos

Seguindo as trilhas sem fim

Já escalei montanhas sim

Sofri,chorei sangrando de pé  cai'

 

A tudo sobrevivi mas a ti

difícil é  resistir e cedo!

Boto o orgulho de lado

E confesso o meu segredo:

Sem teu amor é  viver em segredo

 

Quando de ti me afasto,doi

São de saudade e pesar

Todo o pranto que sai do olhar

Sentimentos que me tiram o ar

Ninguém pode compreender

Quão forte é em mim teu poder.

 

Mesmo que a esse amor calado

Tu não possas corresponder

Ele cresce e se expande

Toma todos os espaços 

De um vazio coração

Espero que meu grito mudo 

Ressoe e chame tua atenção.

:

M. Vitória Dorta 

11.7.2019

  • Autor: Maria dorta (Pseudónimo (Offline Offline)
  • Publicado: 25 de Julho de 2020 18:14
  • Comentário do autor sobre o poema: Mensagem de amor
  • Categoria: Não classificado
  • Visualizações: 54

Comentários8

  • Ernane Bernardo

    Belo poema poetisa, destaque!

    "Quando de ti me afasto,doi

    São de saudade e pesar

    Todo o pranto que sai do olhar

    Sentimentos que me tiram o ar

    Ninguém pode compreender

    Quão forte é em mim teu poder."

    Abraços

    • Maria dorta

      Grata por incentivar minha canhestra tentativa de versos cometer.

    • CORASSIS

      Bela poética!
      Parabéns

    • CORASSIS

      Voltei só para reafirmar o que outrora disse:
      Bela poética mestra!
      Abraço

    • Hébron

      Bravo, poetisa! Bravo!!!
      Abraço

    • Ernane Bernardo

      Vale a pena ver de novo, como sempre belos poema, és menestrel, aqui tiro o Chapéu, bravo. Bom dia um ótimo domingo pra ti.

    • Ema Machado

      Belos versos! Abraços,

    • Antonio Olivio

      Maria Vitória, cunhando versos eternos Para dedicar a Eros , que se enobrece e se joga aos seus pés e confronta Zeus ante a sua frieza de Deus.
      " Enche de amor esta poetisa senhor"

    • Antonio Olivio

      " Sem teu amor , é viver em segredo"
      Aqui eu vejo mais da luta entre o desejo e o objeto desejado, um amor proibido não realizado no mundo físico , mas transcendental e não necessariamente platônico.
      A poetisa vive por meio deste amor não realizado e se entrega a belas metáforas

      • Maria dorta

        Olivio,muito me apraz dedicares teu tempo a me leres e sacar possíveis versões rsrs...lembra que " o poeta é um fingidor
        Que acaba fingindo que é dor
        A dor que deveras sente". Grata por tua sábias palavras e tua atenção que muito me honra.



      Para poder comentar e avaliar este poema, deve estar registrado. Registrar aqui ou se você já está registrado, login aqui.