CORASSIS

Rua Ourânia 67

Minha morada de cor branca
Abriga a mim e a parentela
Toda uma historia
A incerteza dos meus dias
E tem alegrias.

Minha morada antiga
Envia minhas preces a DEUS
E não esconde meus pecados
Tem alimento e simplicidade
Amigos ao redor

Minha morada antiga
Abriga a estante nova
Reserva lições de vida
Passado, presente e futuro.

Minha morada antiga
Tem meu quarto úmido
Esconde me do medo
Acalenta me de paz
Eu tenho o amor dos meus pais

Minha morada antiga
Tem uma gata que tem um gato
Um cão desconfiado
Uma tartaruga parada no tempo
As crianças da vizinhança tocando terror
Reunião aos domingos.

Minha morada de muitos pássaros livres
Tem programação televisiva
Diariamente
Tem minha cama, meu sonho grande.
Meu sofá rasgado.

Minha morada antiga
Tem pinheiros ao redor
Um amontoado de casas belas
Próximo ao céu cinzento
Tem uma grande praça
De magnífico por do sol

Eu assisto de minha morada
O progresso ao redor
E bem próximo presencio a dificuldade
Dos homens, ainda interessados no amor
Não posso oferecer nada em tom material
A não ser minha própria esperança.

Salve 1996

Comentários6

  • Maria dorta

    A musa da Poesia já te perseguia nos idos de 1996! Que nostálgica beleza,amigo colibri,! Chapéu!

  • Edla Marinho

    Boa tarde, Corassis.
    Imagina o quanto gostei, amigo, eu que trago a nostalgia em mim tatuada...
    Muito feliz em passar em sua página.
    Linda tarde, meu abraço.

  • Claudia Casagrande

    Lindo poema carregado de sentimentos.
    Uma delícia de ler.
    grande abraço

  • Nelson de Medeiros

    Boa tarde poeta.
    Sempre um privilégio te ler meu amigo.
    Linda postagem

    1 ab

  • Shmuel

    Muito bom Corassis! Sempre sensível.
    Abraços!

  • Digitais da Alma

    Boa noite Corassis.
    Como é bela sua morada! E dela se recebe a melhor oferta.
    Adorei... Parabéns pelo labor!
    Um abraço



Para poder comentar e avaliar este poema, deve estar registrado. Registrar aqui ou se você já está registrado, login aqui.