Filipe Miguel Baptista Pires

É assim a minha mãe.

A minha mãe sentou-se no jardim

E depois disse assim

Que bem que estou sentada

Depois de uma manhã atarefada.

 

Pegou nas palavras cruzadas

E fazendo uso da sua cultura

Sem nunca parecer ousada

Respondeu sempre à altura.

 

Em menos de nada fez o caderno

Tão rica em conhecimento

Do antigo ao moderno

Responde a tudo no momento.

 

Depois vai beber o seu café

Passa as notícias a pente fino

Para tudo dar fé

Até à hora do sino.

 

Depois telefona às amigas

Para saber como estão

Ajuda a curar as suas feridas

Falando-lhes ao coração.

 

Elegante, inteligente e meiga

É assim a minha mãe

Coração de manteiga

Como ela não há ninguém.

 

Consciente, realista e moderna

Sempre à frente do seu tempo

Não é fácil passarem-lhe a perna

Vive a vida a cada momento.

 

Filipe Pires

Comentários5

  • Edla Marinho

    Palmas à sua mãe!!
    As mães são mesmo super, não?
    Feliz noite!. Meu abraço!

  • Ernane Bernardo

    Belo poema, numa bela homenagem a sua mãe, descreveste. Parabéns, poeta Filipe Pires, forte abraço.

  • Maria dorta

    Aí,como eu gostaria de ser tua mãe! Essa mãe é uma benção,poeta. Parabéns pelo filho que és e reconhecer essa pérola. Aplausos!

    • Filipe Miguel Baptista Pires

      Muito grato por tais palavras.
      É uma mãe fantástica realmente. Tenho muita sorte.
      Bem haja cara poetisa.

    • Cecilia

      Felipe, gostei muito do seu poema, tanto quanto de sua mãe. Abraço carinhoso para ambos!

    • Anny

      Que bela homenagem a sua mãe. As mães são anjos que Deus nos presenteou para nos proteger aqui na terra. Sua mãe pela descrição está sendo luz, com muito brilho. Parabéns!



    Para poder comentar e avaliar este poema, deve estar registrado. Registrar aqui ou se você já está registrado, login aqui.