Edla Marinho

PROCURA



PROCURA 

Passeava em teu jardim 
Buscando uma flor que pra mim tivesses plantado 
E cada matiz de uma pétala
Era um sorriso em meus lábios desenhado 
Em cada traço tentava ver a intenção de um abraço 
Busca inútil, é bem verdade 
Pois num esquecimento de eternidade 
Tu me sepultaste e jamais sobre mim ou pra mim serão teus versos
Partirei para sempre rumo ao infinito 
Sem ter um poema recebido 
Nem no presente impreciso 
Nem no passado... noutra vida 
Se é que ela existe 
Só meu desejo persiste 
Sabendo  ter sido só ilusão 

 

Edla Marinho 

23/05/2017

 

 

Comentários4

  • Shmuel

    Excelente!!!

    • Edla Marinho

      Boa tarde, shmuel.
      Grata por seu comentário!
      Abraço.

    • Nelson de Medeiros

      Bom dia poeta.
      Mas, não se amofine. O amor nesta vida é pura ilusão.

      1 ab

      • Edla Marinho

        Boa tarde, Nelson.
        Com certeza, apesar do lirismo, a gente tem os pés no chão, sabendo que certas coisas só cabem nos versos...
        Mas creio que possa existir amor verdadeiro nesta vida também.
        Obrigada por ler meus versinhos.
        Meu abraço.

      • Ema Machado

        Excelente soneto! Abraços,

      • Ernane Bernardo

        Aplausos, poetisa Edla Marinho, o lirismo é sentimento puro, até mesmo ilusório. Com maestria escrevesse. Bom dia, abraços poéticos.



      Para poder comentar e avaliar este poema, deve estar registrado. Registrar aqui ou se você já está registrado, login aqui.