Adriele Bernardi

Miserável


Aviso de ausência de Adriele Bernardi
NO


Miserável

Penso muito, me cobro muito, demasiadamente demasiado

Vou, volto, me deito, revolto, suspirando, gritando…

Tento me desprender, mas estou preso aqui neste pecado

Tento um refúgio pra me esconder, mas estou falhando…

Aquela balsa amarela já não faz tanto sentido assim

Aquele rouxinol cinza não me dá mais bom dia

Apenas recorro a fumaças escuras e a um copo de gim

A tintas no peito, a lágrimas vazias, sem alegria.

 

 

Não sou nada, apenas um espírito errante

Buscando algo para alimentar meu ser que morre.

Algo pra colorir o céu que é cinza, escuro, incessante

Incessante, sem cessar, sem sentir nada e que me fode...

Foge… deste insensato lugar, cruel, amargo, horrível

Seu ser grita, eu sei, o meu também se calou de gritar

Á luz deste dia que tornou-se rubro, corrupto infalível,

mas falhando em apenas falhar por tentar lutar.

 

 

Dói, eu sei que dói, mas a verdade pode ser dolorida.

A verdade nem sempre é crua, pode vir revestida.

Cada camada sufoca as outras vertentes de viver

Há muito tempo se tentou ser algo sem poder ser.

Olho ali, através da janela enferrujada, a visão entorpecente

Tão psicodélica que não parece ser verdadeira e real

Não foi eu, eu sou cruel, na verdade, sou como a serpente

Mas uma serpente que não morre sem cabeça no final.

 

 

Sou uma sombra que tento sufocar, a obscuridade escura

Segurei cada ponta maligna para não desmoronar

Mas tudo está caindo agora, tudo está marcando ranhuras

Cravando em mim cicatrizes que não posso suportar.

As borboletas monarcas não dançam mais sobre o celeiro,

os potros não sorriem com inocência maçante e forjada

Tudo se esconde em uma caverna mortal de falso/verdadeiro

Limitando a uma única visão um mundo de alta escalada.

 

 

Quando minhas mãos decidiram aprumar sua realidade contida

Tudo ao redor se fechou em um cerco robotizado e material

Mas, ali estava ele, o alterego açoitando com vara estendida

Queimando, ardente tudo que renasce neste corpo mortal.

Ali me encontro, em um sistema delirante de prazer e dor,

Onde o prazer é deveras passageiro.. apenas passageiros

E a dor encarna, incorpora no profundo sentir do ardor.

Não há meio termo pra uma alma sem pedaços inteiros.

 

 

Por isso tento fugir, tento me mascarar com algo sem ser eu

Em um copo cheio, um corpo dolorido, pulmões carbonizados

E diante de uma mente entorpecida, sem encarar o que aconteceu

Inicio o fim da minha vida, sem alegria e com prazeres empurrados.

Rápido, não quero ver, não quero sentir, sem querer consertar

Apenas desejo injetar em minhas veias dopamina para sobreviver

Em meu corpo vazio e tatuado nada há além de feridas sem curar

Sem cura, sem nada, com somente uma bebida pra me levar a esquecer.

Comentários9

  • Vilk Andrade

    Que versos isso incríveis!
    Sentimentos exalados em cada palavra.
    Parabéns!

  • Adriele Bernardi

    Muito obrigada Vilk! 🙂

  • Nelson de Medeiros

    Um poema prenhe de mistérios.
    Bom de ler.

    1 ab

  • Camila Fiorentini

    Que instigante.
    Você vai caminhando ao ler para um submundo. Como um buraco negro puxando.. muito bom! Parabéns!

    • Adriele Bernardi

      Muito obrigada Cam. Vc é maravilhosa em seus textos, é um privilégio ler isso ! 🙂

    • Roseli Furini

      intenso, forte, pesado, verdadeiro.
      realidade de muitos que se encontram "encurralados" em seus devaneios.
      dificíl parar a leitura, adorei!

      • Adriele Bernardi

        Q massa q gostou Rose! Ler isso de uma escritora fantástica é um alívio! Haha muito obrigada:)

      • CORASSIS

        Texto envolvente, para uma grande viagem!
        Muita sentimentalidade percorrida.
        Parabéns

      • umparentese

        UAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAL! Eu só sei que queria morar nesse poema! A forma que você se entregou nas palavras geram uma intensidade em qualquer um que ler!

        • Adriele Bernardi

          AAAAAA q honra luke! Muito obrigada mesmo! Poesia é isso né, derramar um pouco de si em palavras (e vc, mais do q ngm sabe disso) 🙂

        • mundi87

          Wow, nota-se q escreve muito! É, no entanto, muito triste o seu poema, demasiado, acho. Aqui vai uma musiquinha para a alegrar, visto q ainda é jovem. Espero q goste. https://youtu.be/gcw0HyD2UC0

          • Adriele Bernardi

            Estou muito bem haha. Mas muito obrigada por tudo:)

          • Gabs De Luca

            Tudo nesse poema me toca fundo, a dor que se instala, o prazer passageiro.
            A música se une ao seu poema de uma forma muito bela. Parabéns!

            Drink up with me now, and forget all about

            • Adriele Bernardi

              Muito obrigada Gabi! Vc é uma poetisa de alto nível! É uma honra 🙂 Amoo essa música do Eliott Smith 🙂



            Para poder comentar e avaliar este poema, deve estar registrado. Registrar aqui ou se você já está registrado, login aqui.