lucita

SOPRO DEVIDO



 Imaginaria um dia

Estando na estrada

Que leva à fonte

Em um lugar distante

Uma ilha flutuante

De coordenadas itinerante

Sem acesso fixo

Para não ser descoberta  

 

 

Nessa ilha Criaturas estranhas

De fëtidas entranhas

Guardando um enorme rubi

Lapidado mesmo ali

Em meio aos monstros

Feições de prantos

Em escuros cantos

De seus remotos mantos  

 

 

Sopra de repente 

Um vento impertinente

Vindo do poente

Gelando frontes

Rigores mortis

Palidez consorte

Apropriada corte

Dos ambíguos da morte

  Seres sem sorte                

Comentários3

  • Shmuel

    Belo poesia, Lucita. Você tem muita intimidade com as palavras. Quando as ordenam em poesias, o texto fica primoroso.
    Grande, poeta.

    • lucita

      Obrigado Shimul poeta amigo!
      Tive ajuda do meu rebento caçula Rogério Lúcio.
      Não disse que tô iniciando meus filhos!

    • NeivaDirceu

      Esse Rubi foi lapidado ... Num pensamento Surreal, Muito bom Lucita trabalhar com as palavras no surreal , a história poética ganha imaginação... Obrigada pela partilha!

      • lucita

        Obrigada, amiga.
        tentei homenagear a linha GÓTICA do nosso amigo, SANTINDARKO.
        consegui?

      • santidarko

        Lucita,você leva jeito..e MUITO. Tem elemento gótico com o fantástico,mistério,delírios da mente,verdades obscuras,melancolia.Me lembrou..,"A ilha misteriosa"de Julio Verne.Do qual,a série lost,se inspirou.

        • lucita

          Fico muito feliz. Que bom que comecei a captar a energia artística do estilo gótico.
          Te admiro muito!



        Para poder comentar e avaliar este poema, deve estar registrado. Registrar aqui ou se você já está registrado, login aqui.