Elfrans Silva

A ASSISTENTE DE DENTISTA

Hoje é um dia de tratar do meu dente      desconforto na cadeira do dentista
Quando se aproxima a sua assistente
com o estojo,em aço, de anestesista.

Disfarço lembrando dos meus poemas
que os compus , num diferente recinto
Falando de amor, e sofridos dilemas
Qual a dor no braço, no coração eu sinto.

Ambos os casos tem uma  semelhança
O ambiente dará sua espiritualidade
Um me fará sorrir, com mais confiança
o outro, às vezes, faz chorar de saudade.

À assistente na mais pura inocência
não permito notar o meu sofrimento
Faz seu trabalho com muita paciência
então algo me comove nesse momento

Não que o poeta seja um ser insensível
ao contrário, ele age, ingenuinamente
escreve poemas , de forma dubitável
assim cada leitor reage como se sente

Mas a assistente, jovem e dedicada
primeiramente mede minha pressão
Pra não acontecer de numa parada
dar um piripaque em meu coração

Como não tenho esse útil artifício,
uso papel e caneta, vivo de inspiração,
melhor que cada um siga seu ofício
e à meus leitores, humilde,peço perdão

Comentários1

  • Jose Fernando Pinto

    Muito bom Elfrans! Pode colocar na moldura e enviar para seu dentista, rsrs, vai ajudar àqueles que têm medo da "cadeira de dentista"!

    • Elfrans Silva

      Sabe que é uma excelente ideia. Pelo menos presentear um amigo dentista com uma moldura do poema Kkkk
      Grato pelo comentário e sugestão
      Abraço poeta amigo



    Para poder comentar e avaliar este poema, deve estar registrado. Registrar aqui ou se você já está registrado, login aqui.