Hébron

Sou o que sou

 

 

Flutuava em brisa

Era o próprio vento

Varria ruas

Virava o tempo

Sou o instante

Instante que já não existe

Sou o agora

O agora que persiste

Venturava em sonhos

Era o som da espreita

Variam-se luas

Passagem estreita

Sou o camelo

Em buraco d'agulha

Sou o que sou

Sem mentiras pra mim

Universo em fagulha 

Eu sou o que sou

Sou o próprio fim

Flutuava em brisa

Venturava em sonho

 

 

 

Comentários5

  • (ND)

    Eita, Brisa Suave que sopra onde quer... Lindo , Hébron, já li , reli e voltei relendo de novo, pois a beleza dos seus versos me encantou...

    • Hébron

      ...brisa suave que sopra onde quer...
      Obrigado, Neiva!
      Abraço

    • Maria dorta

      Para mim mais do que brisa...es furacão de emoção, arrastando consigo nossas emoções! Sempre te seguindo maravilhada.

      • Hébron

        Seu comentário é muito gratificante para mim!
        Muito obrigado, poetisa

      • Um poeta gótico

        Teus versos trazem a leveza da tua aura, a simplicidade de ser quem tu realmente é. Gostei, parabéns poeta

        • Hébron

          Muito obrigado, poeta por tão gracioso comentário.
          Abraço

        • Roberto Pacheco

          Caro poeta!
          Simplesmente lindo... concreto e abstrato entrelaçados, exigindo muitas leiituras, como retatou a poetisa Neiva.
          Maravilha!
          Mais um forte abraço
          Roberto

          • Hébron

            Roberto, fico lisonjeado e muito feliz com as leituras e comentário seus.
            Muito obrigado, poeta
            Abraço forte

          • Rosangela Rodrigues de Oliveira

            É própria personalidade falando mais alto...Parabéns pelo poema...

            • Hébron

              Muito obrigado, Rosângela!
              Grande abraço



            Para poder comentar e avaliar este poema, deve estar registrado. Registrar aqui ou se você já está registrado, login aqui.