Romárico Selva

O mal soberano

O pecado, Senhor, nos deixou cega a visão

A dúvida, sua primeira filha, nos deu o medo de presente

Então veio a ganância, alegre e sorridente

De braços dados à inveja e a traição.

 

Imponente veio então a vaidade. Em oposto

A ela veio a gula. A cobiça: da miséria mãe tu és.

O prazer carnal cultivou todo planeta a seus pés

E a arrogância se infiltrou em cada rosto.

 

O luxo escravizou muitos de teus filhos,

O ódio enfileirou imensos trilhos

Que levaram a perdição toda humanidade.

 

Afasta-nos pois, Senhor, de tais males que nos consomem

Pois o orgulho e a ânsia são o abismo do homem

E o desejo é o pai supremo da maldade.

 

 

Comentários2

  • lucita

    Posso levar esse poema teu pro blog onde cito vocês amigo poetas.
    Ele falou alto ao coração dessa poetisa e missionária !
    Bom dia amigo poeta.

    • Romárico Selva

      Lógico, missionária. O empenho do homem em realizar seu próprio desejo egocêntrico, egoista ê exatamente o que o afasta de realizar o bem maior pra si e para humanidade, que ê o desejo de YHWH. Pode colocar sim.

    • CORASSIS

      Poeta e conterrâneo !
      Soneto espiritual bem composto e verdadeiro!
      Abraço



    Para poder comentar e avaliar este poema, deve estar registrado. Registrar aqui ou se você já está registrado, login aqui.