Zaira Belintani

No Embalo do Tempo

O tempo é justo e medido
Desloca tudo ao passar
Tenho muito prazo perdido
Sem chance de resgatar
Se me atrevo a ir na frente
Levar alguma vantagem
Perco tempo novamente.

Se parece impiedoso
A matéria degradar
O tempo é dadivoso
Na ação de restaurar
O ciclo da criação
A autodepuração
Reciclar, recuperar.

Enquanto a eversão labora
No corpo em desalento
O espírito se arvora
Em renovar provimento
Para cada dor, desagravo
Segue ileso, são e salvo
Ao doce embalo do tempo.

Comentários4

  • NeivaDirceu

    Parabéns pelo dia do poeta, Zaira, linda poesia, queremos sempre renovação e isso é bom...

  • Zaira Belintani

    A matéria envelhece, mas o espírito pode se renovar a cada dia.
    Feliz dia do poeta, Neiva Dirceu!
    Gratidão pela mensagem!

  • Maria dorta

    Poeta como você,merece aplausos. Bela poesia,parabens pelo talento!

  • Zaira Belintani

    Agradeço e compartilho os aplausos com você, Maria Dorta, e com os demais poetas!



Para poder comentar e avaliar este poema, deve estar registrado. Registrar aqui ou se você já está registrado, login aqui.