Levy

Nossas correntes...


Sentado em seu Palácio do falacio
O pobre sábio forge suas correntes
Aço indiferente e normal, seguindo o habitual
Mata sua alma e o prende ao infernal...


"Não gosto do Universo (Infinito mesmo)
Que nos prendeu dentro de Si...
Dando falsas liberdades a muitos!
Ainda tem os Diachos de Vida Eterna...
Que muitos lutam para conseguir!
Eu que tranquilo vivia...
Pouco me importando onde iria ou quem era
Hoje vivo acorrentado ao Universo...
(Infinito mesmo)
Sem (poder), para Si Cuidar e Cuidar
Daqueles a quem eu devo amar!
Ainda tendo de agradecer a esse Universo...
Por ainda aqui estar"
PAZ E BEM


É fato que correntes tenho mais de cem
Tenho quem eu amo e os que me querem bem
Nesse universo infindo e além
Quebro elos que não me agregam e idem...


O termo ACORRENTADO pode até ser legado
Mas se vai ter seu sentido apregoado
Dependerá da oposta abnegação
De fazer parte do plano traçado
Ou sentenciar-se como sempre rebelado



Para poder comentar e avaliar este poema, deve estar registrado. Registrar aqui ou se você já está registrado, login aqui.