Eliabe Lira

Dúvida

Certo ou errado 

É sempre uma opção

Não existe manual para tudo

Existe, apenas, um julgamento.

 

O vilão, de caráter duvidoso, é errado

A história segue seu curso

Uma escolha precedente

Um erro, destruição total do papel de vítima.

 

Quanto vale uma chance? 

E em quantos finais vamos estar? 

O vilão é vilão, nada mais 

Errado está? Ou sempre esteve? 

 

Invertemos os papéis novamente

Quem quer apertar minha mão?

Mas, e a dele? Ninguém! 

E a do mocinho? Todos!.

 

Um vilão nasce vilão? 

Quem escolheria tal papel? 

E se existe escolha, onde está? 

Quem decide sua vida? E imagem?.

 

Quem vê? Quem diz? 

Quem me classifica? Quem me escolhe? 

Os lados da moeda parecem errados 

Superficialmente, precisamos mudar.

 

E qual é o erro que cometi? 

E você? Também pode cometer? 

Então me diga um erro que você não pode 

Me diga se não quer uma segunda chance.

 

Me conte qual a sua identidade

Suas mais profundas convicções

Diga em que ponto se tornou herói

E em que ponto te colocaram como vilão.

Comentários3

  • Mari Machado

    A dúvida é atroz, o julgo ainda mais...
    Muito boa sua reflexão... Abçs

    • Eliabe Lira

      Muito obrigado, abraço.

    • Eras

      Interessante reflexão, poeta.
      Boa noite

      • Eliabe Lira

        Obrigado poeta. Boa noite.

      • CORASSIS

        Grandes indagações
        Calam fundo no coração
        Parabéns poeta
        Abraço

        • Eliabe Lira

          Obrigado amigo, abraço.



        Para poder comentar e avaliar este poema, deve estar registrado. Registrar aqui ou se você já está registrado, login aqui.