Maria dorta

Navegando Amores

Memória como navio desliza

vai navegando entre amores

entre ondas,vou revivendo dores.

O solo da adolescência  fertilizou

um impossível amor que naufragou.

Meu belo navio está  cheio e vaga

pelos mares da memória,à deriva...

O primeiro me achava bela

da beleza ele fugiu, não me amava!

Nas águas do Amor nadei,boiei,

quase afundava: nenhum príncipe achei.

Às  vezes,um peixe-boi aparecia,

e me queria. Surpresa,eu fugia.

Hoje,lábios secos,lamento

                                 Beijos não dados

                                   Abraços recusados

                                  Amores ensinados

                                  Sexo reprimido

Será  que posso dizer

Valeu a pena não ter consentido?

Assim pela metade ter vivido?

E fica o dito pelo nao- dito!  

Maria Dorta   16.10.2020

 

,

 

 

Comentários2

  • CORASSIS

    Navegar é preciso
    Já a vida em terra firme
    Muitas vezes traz dores
    O amor não está imune.
    Triste e belo, retrato do amor.
    Parabéns .
    Abraço

    • Maria dorta

      Verdade! Viver não é preciso! É temos que correr os riscos. É é bom viver! Grata por me ler!

    • Valdeci Malheiros de castro

      O amor navegando nas ondas da poesia. Lindo. Um feliz sábado.



    Para poder comentar e avaliar este poema, deve estar registrado. Registrar aqui ou se você já está registrado, login aqui.