Maximiliano Skol

A VIDA

A vida para mim é a vaporosa 

Sensação de uma ausência de mim mesmo,

Pressinto-a tanto leve como a prosa 

De palavras ao vento, indo a esmo.

 

Vulnerável, sem eco, como a rosa  

Sendo despetalada e que não resmo

As pétalas, não mais, da esplendorosa 

E perdida visão, se me ensimesmo.

 

Pressinto, nessa tênue sensação,

De que ainda estou vivo e com o receio

De que a qualquer seguinte marcação

 

De segundo serei desencarnado...

E que  esse momento que me veio

Em mim já estava escrito — sou finado.

 

 

Comentários4

  • Pedro Castro

    Muito bom o poema!!!

  • Shmuel

    Forma sutil e bela de encarar a finitude.
    Elevando a vida e a morte.
    Abraços ao poeta, Maximiliano Skol.

  • Marcos Valerio de Souza

    Bela e agradável reflexão sobre a efemeridade da vida em forma de poesia.
    Meus parabéns!

  • NeivaDirceu

    Vai com calma, o fio não será cortado... rsrsr Amei poeta ...
    A morte já não existe... E se existe está em toda matéria... Gostei poeta, muito bom ... Soneto top



Para poder comentar e avaliar este poema, deve estar registrado. Registrar aqui ou se você já está registrado, login aqui.