Chico Lino

INCERTAS PALAVRAS

INCERTAS PALAVRAS

Chico Lino

 

Nossa língua portuguesa

Tão rica, viva

¨última flor do Lácio¨

Evolutivamente bela

 O que fazemos com ela?

 

Onde foi ¨dous¨, é dois

¨Pharmácia, farmácia

Senhora constringida

Sinhá, Siá;

 

 Farinha posta

Em recipiente escrito chá

Temos ¨charinha¨

 

Algo gostoso

Na fase tatibitate

Torna-se ¨sigôto¨

Vocabulário, ¨voos cabulares¨

 

Uma rã

Pode ser Inhambu;

 

Ao menino

De constipado

intestino

O pai zeloso dizia

Em orquestrada cantoria:

 

 ¨Sai safado, sai safado...¨

 

Assim evacuava

Satisfatoriamente

 

Na sala de aula

Um aviso à professora:

 

- Quero fazer safado!

 

A mestra não atende

Pois não entende o recado

 

Resultado

 

A sala de aula

Tornou-se irrespirável

 

E o garoto

Para sempre

Bulinável

Comentários2

  • Mari Machado

    Uma aula cultural! Belo! Abçs

    • Chico Lino

      As vêzes estamos de cada maneira, que nem mesmo nos entendemos; outras vêzes pensamos que nos entender acontece; não sei de que maneira estamos, mas por enquanto só sei, que o dia ainda amanhece...

      Forte abraço...

    • Chico Lino

      Se é que isso seja amanhececer...



    Para poder comentar e avaliar este poema, deve estar registrado. Registrar aqui ou se você já está registrado, login aqui.