lucita

Ser ou não ser... Que confusão!


Agosto acabando
Setembro chegando
Dia após dia, o tempo passando.
Nada de beijo. Nada de abraço.
Só um rápido olhar e passo.
Te ver e não te querer, improvável.
Desejo incalculável de abalar o inalável
E colher violetas, namorar borboletas
Que voam por aqui...
Sen jardim
Só há flor em meio ao mato.
Me abato e levanto
Só pra te contar que:
As flores de plástico não morrem...
???????????????????


Tudo que é sólido se desmancha no ar
Disse um certo autor
Mas SER é momento
É presente, é dolente
As flores de plástico não morrem
Mas o vaso quebra
Ai precisa de aconchego.


O sonho embalado pela poesia,
Faz o poeta adejar pelo
Mundo fantástico da fantasia,
E o sonho, e a imaginação,
O guiam a regiões
Que só ele, o arqiiteto ousado
De colossos , compositor
De castelos ilusórios concebe.
De repente , a natureza
Se abre em festa,
E empreta
Sua singular beleza,
Em concerto de harmonia !...
Os pássaros cantam,
As flores desabrocham ,
O sol vai se pondo,
Encimado por nuvens rubras
Do arrebol!
Vibra a natureza!Canta o poeta
O seu canto que é brisa,
Que vibra, estua e palpita!


"Ser ou não ser, eis a questão!
Escreveu William Shekespeare...
Para a peça, Tragédia de Hamlet
(Príncipe da Dinamarca)!
Que narra o amor confuso entre família!
E nós, o que nos cabe...
Nessa Tragédia Pandêmica?
A não ser, se amar plastificado...
Se comunicando, através de Selfies!
Nessa confusão dos Diachos"


Ser, é superior a: ter
Para o SER Superior
Quem não É, ainda será
Basta praticar o Amor
e pra quem se demorar
Virá a ser, pela dor.


Ser ou não ser...eis a confusão?!
Ser é mais do que ter,
Construir a paz no meio do caos,então...
Ser humano à distância,necessidades da pandemia,
Ser por fora velho ou criança mas a alma jovem é o que mais valia...
Ser somente e não apenas existir,
Ser algúem que sente de repente o sentido da vida passar por seus olhos,
Ao vê-la se esvaindo por um triz...
Ser ou não ser...eis a loucura!
Somos alma vagantes à procura de muitas aventuras...


Não Ser o que não se vive,mas
O Ser talvez seja o caminho
irremediável para transformação
do velho para o novo, do feio em belo,
A dor em alegria, a instabilidade em
perfeita harmonia.


Sou o que não sou,sendo,assim sendo
Sou o bom,sou o ruim,sou assim
Sou o verso e o reverso mesmo assim
Sou o direito do avesso,não e sim.
Sou o frio,sou o quente, isto sim!
Sou Bravo sendo covarde,fica assim?
Sou orgulhoso,sou penitente enfim,
tudo vira uma grande confusão
na multidão inclemente e demente
mas,todos insistem em me chamar de GENTE!


Prefiro ser...
Mas também gosto de ter
Talvez dinheiro
Ou mesmo poder
Posso ser má... (um pouco)
Prefiro ser boa
Nesse mundo tão louco
Para não sofrer à toa
Com julgamento
Ou preconceito
Sou puro sentimento
Sem questão, sou desse jeito!


Não adianta o lamento
do ser desfeito
o que importa é a alma que voa
rumo ao infinito
deixando para trás nossos gritos
Gritos de esperança de uma rápida solução
que a pandemia passe
é o que desejo de coração


Eu vivo a vida por inteiro
Tenho certos devaneios
Às vezes paro no meio
Mas sempre vivo por inteiro
Eu sou feliz
Eu sou amado, eu amo
Também sou odiado
Ninguém é perfeito
Eu sou a voz
Eu sou a paixão
Eu sou confusão
Eu sou tudo
Não é apenas aquele que não tenta


Eu sou o nada
de onde tudo foi gerado
Eu sou o vazio lotado
ou o tudo vazio?


Muito bom

Comentários1

  • lucita

    Fiquei maravilhada com cada participação!
    Muita honra.
    Agradeço AMIGOS!



Para poder comentar e avaliar este poema, deve estar registrado. Registrar aqui ou se você já está registrado, login aqui.