Maria dorta

Confissão na noite

Sou aberta quase sempre

Mas, às vezes,fecho_ me em concha.

Prudente, pois nem tudo se conta.

Sou de temperamento solar,amo o mar

Mas, às vezes deixo a  chuva,me encharcar.

A' chuva me entrego como o chão do nordeste.

Transparente sou, com uma pitada de loucura outro tanto de mistério.

Gosto do imprevisto, às vezes com ele me visto.

E ,então, uso uma máscara e jogo de improviso.

Mas, sei também respeitar, por isso aviso: 

Respeito cabe em todo lugar,sem improviso.

Quando confio, me entrego totalmente.

Mas,não sou mulher carente e nem sempre sou indulgente.

Você terá que  aprender  a me decifrar para poder  usufruir_me totalmente.

Maria Dorta 18-04_2024

  • Autor: Maria dorta (Pseudónimo (Offline Offline)
  • Publicado: 18 de Abril de 2024 00:27
  • Comentário do autor sobre o poema: Um pouco de treino para não perder o jeito!
  • Categoria: Não classificado
  • Visualizações: 11

Comentários1

  • CORASSIS

    Lindo !
    Isso porque é um treino.
    As confissões nossas de cada dia, de cada noite !
    Viva a poesia viva Dorta ,Maria.
    Abraço querida e estimada amiga.

    • Maria dorta

      Devagar com o andor kkk! S santa aqui é de barro kkk gratidão por tuas belas palavras! Um dia chego lá!!



    Para poder comentar e avaliar este poema, deve estar registrado. Registrar aqui ou se você já está registrado, login aqui.