Marcos Valerio de Souza

UMA CERTEZA

   

          UMA CERTEZA

 

Como é efêmera a nossa juventude

Evapora veloz como a água do cantil,

Pouco dura como o amor primaveril

À galope é que chega a decrepitude.

 

Procure, portanto, ser preveniente

Pra sorver o néctar varonil,

Implacável é, pois, a vereda senil

Que nos dilata a alma de repente.

 

Nem penses querer deter o amanhã

Não pertence a nós, todos sabemos,

Sem resiliência a vida será vã

 

Os umbrais do ocaso perpassaremos.

Uma certeza balouça a mente sã:

O dia de hoje é o que, de fato, temos.

 

                   Marcos Valério de Souza

 

 

 

 

Comentários1



Para poder comentar e avaliar este poema, deve estar registrado. Registrar aqui ou se você já está registrado, login aqui.