Vilmar Pereira

O trem e a quimera

Olha o trem carregado deslizando sobre os trilhos                                      levando a vida e o sonho, o fado e o progresso,                                              para outros longínquos e lívidos torrões;                                                  ouvindo as letras das canções dos poetas e andarilhos,                              enquanto espera que o seu amor venha de regresso                                riscando os esboços de nuvens que faz com os seus borrões.                    Postado de esguelha para a pacata e bela estação                                  que também carrega a sua mais lívida quimera,                                      numa amável viagem por dentro do pensamento;                                          ao passo que pinta o céu da inata inspiração                                              com as flores típicas e naturais da primavera                                              que enfeitam o horto do seu ávido sentimento.                                            Pelo correr da manhã amena e tranquila,                                                com os raios solares vívidos e amarelos                                                que banham os corpos das casas antigas do vilarejo;                              por esse pedaço de terra de areia e argila                                                        que constrói e reconstrói os romanos castelos                                  com todo o avivamento do seu simples desejo...                                    Enquanto pensa em escrever um punhado de versos                              para deixar registrado tudo o que sente no papel                                      e alimentar a fonte de água límpida do seu regato;                                        para ajuntar todos os caminhos estreitos e dispersos                            no bojo esplendoroso e invisível do pequeno tonel                                        que preenche às linhas finas do seu espelhado retrato. 

  • Autor: Vilmar Pereira (Offline Offline)
  • Publicado: 23 de Novembro de 2022 09:48
  • Categoria: Não classificado
  • Visualizações:
  • Usuário favorito deste poema:
  • DAN GUSTAVO.

Comentários3

  • @(ND)

    Quanto lirismo , quanta beleza descrita em um só poema... Parabéns , poeta Vilmar , onde que a´plaude 1000 vezes aqui? Top! Boa noite!

    • Vilmar Pereira

      Muito obrigado, Neiva, pela sua leitura e apreciação e comentário do meu singelo poema! Um abraço, boa tarde e até breve!

    • DAN GUSTAVO

      Quem vai chorar?/ quem vai sorrir...? E esse seu trem, nesse seu lirismo fantástico, com certeza vai cruzar com o 'Expresso de Retiro de Muriaé' por aí... por essas linhas(de caderno) que a gente usa pra rabiscar a nossa verve!rs Um bom dia, meu irmão em letras!

      • Vilmar Pereira

        Caro amigo Dan Gustavo, figuei satisfeito com o seu embarque como passageiro desse trem e dessa quimera... Obrigado! Um abraço, boa tarde!

      • LEIDE FREITAS

        Adoro trens e vida. éÉuma excelente metáfora, reflexão sobre a vida cotidiana...

        Pelo correr da manhã amena e tranquila, com os raios solares vívidos e amarelos que banham os corpos das casas antigas do vilarejo;

        Como pode escrever algo tão lindo? Parabéns!

        Bom dia e excelente fim de semana, poeta Vilmar Pereira!

        • Vilmar Pereira

          Apesar do meu contato distante com os trens, sou fascinado com esse meio de trasporte...E neste poema fiz uma alusão metafórica do trem com a vida e a quimera. Que bom que você gostou! Muito obrigado! Boa noite, um abraço, excelente final de semana poetisa Leide Freitas!



        Para poder comentar e avaliar este poema, deve estar registrado. Registrar aqui ou se você já está registrado, login aqui.