Elfrans Silva

UM JEITO MOLEQUE DE SER

UM JEITO MOLEQUE DE SER 

Jamais saberia em tão tenra idade
Do plantio e colheita, do ignoto destino
Qualquer colorido diante do olhar
Que pudesse sentir ou mesmo tocar
Era tudo brinquedo nas mãos do menino 

 

O dia que parece ser curto demais
Pr'aquele que nasce com dotes ladinos
Faz braço-de-ferro frente a sua energia
Se queda pra força da tão pequena cria
E quem sabe perdoa os seus desatinos 

 

Num dia chuvoso se lhe muda a rotina
Ingerência da vida que vem repentino
Aos brincos da rua não tem permissão 
Remove dum canto um velho violão 
E vibram as cordas na mão do menino 

 

Peraltices que vão surpreender o infante
No som destoante e cruel desafino
Na inconstância remexe no bem alheio
Pra disfarçar o indomável anseio
Do mundo lá fora que chama o menino 

 

Inventa a canção, e imagina a platéia 
Piston, bateria, guitarra e o violino
A banda completa nos palcos da vida
Fama e riqueza, pobreza esquecida
E o mundo aplaudir talentoso menino 

 

Quanto tempo cantou e o quanto tocou 
Se cantor se formou nem eu imagino!
Só sei que a chuva parou qualquer hora
A porta irrompeu saltitando pra fora
Se sujando no barro o divertido menino 

  • Autor: Elfrans Silva (Pseudónimo (Offline Offline)
  • Publicado: 16 de Janeiro de 2022 02:52
  • Categoria: Infantil
  • Visualizações:

Comentários2

  • Maria dorta

    Poema com engenhosidade,assemelha_ se com a trajetória de uma vida.Chapéu!

    • Elfrans Silva

      Tem um pouco de toda criança aí, nessa história. Na 3° estrofe, tem muito de mim.
      Agradeço a sua leitura, poeta Maria Dorta.
      Beijo no coração. Boa noite e excelente quarta-feira.

    • Nelson de Medeiros

      Bom dia Efrans.
      Uma descrição comovida de uma vida, como bem disse nossa amiga Maria.

      Excelente, poeta.

      1 ab

      • Elfrans Silva

        Boa noite agora, poeta Nélson de Medeiros. Sim, a Dorta faz sempre excelentes leituras de nossos poemas.
        E voce tbm me honra nessa parceria no comentário. Forte abraço meu amigo. Uma noite de paz pra você. Gratidão



      Para poder comentar e avaliar este poema, deve estar registrado. Registrar aqui ou se você já está registrado, login aqui.