Jucklin Celestino Filho

FINGIMENTO

 

FINGIMENTO ( ITABUNA, 12/06/78) POEMA À BÁRBARA ROSA DI LA FLUENTES

 

Por que fingir me amar?

No silêncio, capto pelo seu olhar,

Sem precisar de nenhum gesto,

Que não me tens mais amor.

 

O tempo a palavra me cala.

Mas meu coração fala

Sem precisar de palavras

Que já não me tens mais amor.

 

Despe, querida , a fantasia,

Rasga-me do peito a coroa de dor.

Meu coração coração fala

Que não me tens mais amor!

 
 

Comentários1

  • Cebol@zeda

    Wow!!! BelĂ­ssimo poema!!!



Para poder comentar e avaliar este poema, deve estar registrado. Registrar aqui ou se você já está registrado, login aqui.