Esther lins

Hora

                     Hora

Tic tac no relógio 

E num segundo faz a hora.

Tudo devaneia.

Tudo vai embora.

 

Ora, hora eu te conto!

E num conto de desconto.

Já passou minutos,

Agora eu reconto.

 

No tic tac faz a hora

E o ponteiro vai embora.

A Deus! Já se passa meia hora!

E o ponteiro nunca volta.

 

Perdi minha hora

A hora que apavora

Volta tempo..

Já não volta.

A hora é vaga

Não espera,

Não desespera,

É sincera.

 

E no tic tac foi-se a hora,

Levou tudo e foi embora.

Não esperou minha chegada,

E partiu nessa jornada.

 

Nunca mais a hora volta...

 

Vitória Esther

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

                   

 

 

Comentários5

  • Nelson de Medeiros

    Bom dia poeta.
    Olha, parabens, viu?
    Acheio o teu texto formidável.
    Gostoso de ler.;
    1 ab

  • imellie

    incrível
    é um poema inesquecível

  • Shmuel

    Realmente, as horas passam em frações de segundos.
    Abraços a poeta!

  • LEIDE FREITAS

    Gostei. Realidade pura.

  • Isel

    Eu adorei a sua poesia.
    A forma de escrita é maravilhosa.



Para poder comentar e avaliar este poema, deve estar registrado. Registrar aqui ou se você já está registrado, login aqui.