Janderson Shady

Meu Presente

 

Foi quente como o verão de Dezembro quando começamos
Mensagens e conversas diárias que faziam a distancia inexistente
Janeiro nos apaixonamos
E assim tornou-se meu presente


Nas quedas das flores do Outono nos encontramos
Trazendo o calor do verão em nossos corpos que já se fazia inerente
Abril recriando momentos que imaginamos
E assim tornou-se meu presente


As frentes frias do Inverno chegam enquanto ansiamos
Nos reencontramos em noites longas na sua cama ardente
Agosto nos separamos
E assim tornou-se meu presente

 

No florescer da Primavera nos estranhamos
Suas mensagens e conversas tornaram-se fragmentadas e você displicente
Outubro terminamos
E assim tornou-se meu presente

 
No calor do verão eu ainda te amo
Você abita minha mente me torturando diariamente
Dezembro você seguindo e eu tentando
E assim tornou-se meu presente

Comentários3

  • Nelson de Medeiros

    Boa noite poeta.

    Um desabafo de amor... É preciso, quando ele queda preso na alma ainda....
    1 ab

    • Janderson Shady

      Ser chamado de poeta não é algo que sou digno no momento, muito grato pelo seu comentário.

    • Shmuel

      Bem-vindo, Janderson Shady! Boa poesia, espero que venham mais.
      Abraços!

      • Janderson Shady

        Obrigado pela recepção. Foi meu primeiro e se as minhas madrugadas continuarem me inspirando, haverá mais. É o que espero.

      • Maria dorta

        Ser poeta não é projeta, é condição que eclode quando se está a sofrer ou simplemente buscando sair de um padecer que faz sofrer. A poesia ajuda a aliviar a dor de amor. E que ela te ajude a amenizar teu sofrer. Siga em frente!

        • Janderson Shady

          Obrigado pelas palavras acalentadoras Maria Dorta. Um processo que levará seu tempo determinado, quero nele me expressar e transpor meus pensamentos em prosa. O sofrer é também um viver , este tipo de sofrimento que era incógnito agora faz parte de mim. Então porque não prosar sobre ,não é? Com certeza ameniza e revigora minha consciência.



        Para poder comentar e avaliar este poema, deve estar registrado. Registrar aqui ou se você já está registrado, login aqui.