Jonas Teixeira Nery

Armadilha


Aviso de ausência de Jonas Teixeira Nery
NO

O velho curvado pelo tempo,

surge caminhando lentamente,

pensativo, resignado, nessa luta,

introspectivo e sobrevivente entre rugas.

 

Traz no andar comedido, a certeza da morte breve.

Não lamenta, nesse corpo carcomido pelo tempo.

Tem saudades esse velho, entre lembranças,

caminha desprovido de embates, sem medo...

 

Esse velho, nessa luta, em silencio, nessa cena,

caminha nessa paisagem, aplacando sentimentos.

Retocado pela bengala esse velho destoante,

cansado, semeando ao vento suas tristezas.

 

Perambula pela vida entre vagas lembranças.

Lembranças refazendo caminhos desventurados.

Esse velho caminha curvado, descuidado,

nessa alameda com seus olhos tristes, nesses tempos.

Comentários5

  • Shmuel

    Que belo poema! Este velho é um sábio exposto as intempéries da vida.

    Parabéns ao poeta, Jonas Teixeira Nery

    • Jonas Teixeira Nery

      Muito obrigado. aos velhos como a gente, meio deixado de lado!
      Um abraço

    • Anny

      A maior idade é cansaço, mas também sabedoria. Não há pressa, há aprendizado. Belo poema! Parabéns!

    • Jucklin Celestino Filho

      Quem dera, Jonas Teixeira, que tivéssemos o mínimo de perseverança desse velho que caminha a duras penas; mesmo "triste, curvado , alquebrado", ele caminha, enquanto muitos desistem de caminhar.
      Parabéns, pelos versos que têm o poder de muito nos sensibilizar!
      Bom dia!

    • Cebol@zeda

      Belíssimo poema!!!

    • Jonas Teixeira Nery



    Para poder comentar e avaliar este poema, deve estar registrado. Registrar aqui ou se você já está registrado, login aqui.