Edla Marinho

ANJOS



Juntando pedaços de minha história
Tantos momentos de felicidade 
Guardados no meu baú de memórias
Dos dias idos de uma pouca idade 

Num tempo em que com anjos eu andava 
Passeávamos em meio às estrelas 
O azul daquele céu me encantava 
E eu colhia seu brilho em centelhas

Porém passou-me o tempo de inocência 
E o relógio não tem benevolência 
Roubou-me a inocência sem piedade 

Matam os anjos de nossa fantasia 
Mas nos meus sonhos e nas poesias 
Tenho-os de volta em minha eternidade 

 

Edla Marinho 
10/09/2021



 

Comentários4

  • Jose Altofe Queirolo

    Belo soneto, querida poetisa, com destaque especial à última estrofe: "Matam os anjos de nossa fantasia / Mas nos meus sonhos e nas poesias / Tenho-os de volta em minha eternidade ", como bem disse Mario Quintana "Uma vida não basta ser vivida. Ela precisa ser sonhada". Abs.

    • Edla Marinho

      Poxa, que alegria ler este comentário, poeta!
      É um grande incentivo sua presença em minha escrivaninha.
      Minha gratidão, do fundo do coração.
      Linda noite pra ti, meu abraço!

    • Carlos Hades

      Bravo! Poetisa.
      Lindo, tocante e suave.

      • Edla Marinho

        Gratidão, poeta. Sua presença é comentário é muito importante.
        Meu abraço!

      • DAN GUSTAVO

        Lindíssimo...! Como são os momentos em que esse tempo tão 'atroz' em sua pressa em passar, nos permitir rememorar ou 'revisar' outros tempos idos! Um bom dia, amiga Edla!

        • Edla Marinho

          Boa noite, poeta
          Grata, muito grata por passares aqui no meu jardim poético.
          É uma alegria e incentivo o teu comentário, crê!
          Meu abraço!

        • Cecilia

          Gostei muito, Edla. Os anjos podem ser lendas, ficção, mas como são encantadores, e povoam o nosso imaginário. Acertou no tema e no soneto perfeito. Beijo

          • Edla Marinho

            Boa noite, Cecília.
            Pois é, lendas tão bem aceitas nos versos, não é?
            Fico muito honrada com sua leitura e comentário, minha querida.
            Aceite meu abraço!



          Para poder comentar e avaliar este poema, deve estar registrado. Registrar aqui ou se você já está registrado, login aqui.