MariaLandim

Quantas sou?



Escrevendo um poema
Nele o poeta mergulha
Numa forte chuvarada
Grande nevasca
Dourada
Inteirinha de fagulha. 

E quanto mais ele escreve
Mais vividamente,
A vivência, 
Vivencia. 

Vive diferentes mundos
E diferentes momentos
Da tristeza
Da saudade
Das danças 
Tangos 
E fantasia
Das noites de boemia
E daquele não sei quê 
Que trás um quê de agonia!
Outra vez, trás euforia. 

O poeta devaneia
Transcreve a realidade 
E também a alquimia 

Da interação com amigos
O poeta, faz a música, o aperitivo,
churrasco, faz também a trilogia
Da convivência com a família.
O poeta delicia 

O poeta, do seu poema, distância. 
Olha-o. 
No dia seguinte.
Sua obra
Quiçá, sempre inacabada,
O poeta aprecia:
Fui eu mesmo quem escreveu?
Estaria eu dormindo?
Sonhando?
Sonambulando?? 

Não. 

Ora ela é uma busca
Ora espera e alegria.
Ora é o retrato da saudade.
Ora é a pura, atroz verdade.
A poesia é magia 

Sim. 

Eis aí a minha cria.

Comentários5

  • Hébron

    Muito lindo!
    Parabéns, poetisa
    Abraço

    • MariaLandim

      Poeta Hébron
      Prazer imenso ser merecedora da tão ilustre visita.
      Muitíssimo obrigada.

    • Jessica de Oliveira

      Encantador!

      • MariaLandim

        Muitíssimo obrigada
        Por sua observação
        Poetisa Jessica
        Dá alento para continuar

      • Barbara Guimaraes

        Maravilhosa! Parabéns ??

        • MariaLandim

          Barbara poetisa Bárbara.
          Muitíssimo obga
          Por teres me dado o prazer da sua leitura.

        • Nelson de Medeiros

          Bom dia poeta.
          Os poemas e os poetas sao isto mesmo! Mistura de sonho e realidade, fantasia e verdade!
          Parabens!
          1 ab

          1 ab

          • MariaLandim

            Poeta... sr poeta.
            Sua observação é preciosa
            E encorajadora.
            Muitíssimo obrigada

          • Edla Marinho

            Boa tarde, poetisa.
            Muitas vezes, eu que não sou poeta, me pergunto : será mesmo que isto escrevi?
            Quando foi que minha fantasia se fundiu com a inspiração e tirou da solidão estes versos?
            Só sei que entre realidade e fantasia, verdade ou invenção, se juntam para tocar, de alguém, o coração.

            Gosto destas indagações e fico feliz quando encontro uma escrita que me proporciona divagar assim...
            Obrigada por partilhar sua cria!
            Meu abraço.

            • MariaLandim

              Uau...
              Divina poetisa Edla.
              Que fabuloso seu comentário.
              Fiquei mais que feliz...
              Tbm estou engatinhando neste multi facetafo mundo mágico da poesia.
              Obrigadíssima



            Para poder comentar e avaliar este poema, deve estar registrado. Registrar aqui ou se você já está registrado, login aqui.