Isollina Barboza

Guerreiro solitário

Naquela noite de sábado,
no silêncio,
o grito da lua em seus ouvidos,
o vento aquecendo seu corpo trêmulo,
você se permitiu sentir, aquele mar engraçado de ondas que iam e vinham sem parar,
falando consigo mesmo, ele refletiu e disse:
- Disseram que você não devia falar sozinho, que não era certo, mas eu te pergunto, você viu alguém falando sozinho?
Ele sorriu, seus olhos brilhavam com tanta emoção,
em resposta:
- Nunca vi ninguém falando sozinho!
Ele se deitou naquele tapete surrado com a grama que comprou, relaxou o corpo e disse: que estranho pensar assim, que jeito diferente de ver a vida.
Mas não somos iguais, eu só quero ser só eu, não é sobre mim.
No meu peito, o amor bate.

  • Autor: Isollina Barboza (Offline Offline)
  • Publicado: 1 de Abril de 2021 19:51
  • Comentário do autor sobre o poema: União entre ser e existir.
  • Categoria: Fábula
  • Visualizações:

Comentários2

  • Shmuel

    Bonito poema!

    ..."jeito diferente de ver a vida.
    Mas não somos iguais, eu só quero ser só eu, não é sobre mim.
    No meu peito, o amor bate"...

    Seja bem -vinda, poeta!

    • Isollina Barboza

      Gratidão, Shmuel!!
      Adorável expressão.

    • CORASSIS

      Uma reflexão bela
      parabéns poetisa!.
      abraço



    Para poder comentar e avaliar este poema, deve estar registrado. Registrar aqui ou se você já está registrado, login aqui.