VIDA DE SARJETA

Ary Bueno [ O Príncipe dos poemas e do amor]

Pobre de ti, que tens esta sua sina tão amarga

Jogada às besta-feras, com tão pesada carga

Serves com teu corpo, um amor irreal, tão banal

A quem a ti usa para satisfazer seu desejo animal

 

Falo de você, minha amiga triste, e da triste infante

Que tem seu corpinho, vilipendiado a todo instante

Por alguns miseros trocados, que lhe mitigam a fome

Servindo de repasto, a alguem, que nem sabes o nome

 

Sei que sua sina, é triste, é sofrida, és humilhada

Tens o corpo marcado, ferido, e a alma retalhada

Crianças, de tenra idade, se prostitui, se corrompe

E nada, ninguém, evita  que estes anjos, alguém compre

 

Prostituição, este caminhar para drogas...Triste sorte 

Espera-te no seu viver, apenas, prisão, doenças ou a morte

Qual o seu sonho, qual o seu objetivo nesta vida insólita

Tu que apesar do sofrer, da amargura, tens a face bonita

 

Como fico triste ao passar nas nossas avenidas, nas ruas

E vendo-a pintada, de forma bizarra, praticamente nuas

Fumando alucinadamente, sob efeito de alccool, ou drogada

Se oferecendo, se destruindo, se matando, até a madrugada

 

Quantas são espancadas, são pisadas, torturadas, judiadas

Sem ter esperança, de um dia melhor, de uma vida familiar

Vida descente, vida honrada, vida honesta, não sendo exploradas

Que dó, mulher, doce criança, por saber que tantos vão te humilhar

 

Me sinto impotente, para salvar todas, que tanto estão sofrendo

Tantas crianças jogadas, e eu, sem nada fazer para afastar a dor

Para ensinar, o significado real da palavra importante, que é amor

Para evitar o que esta ocorrendo, tanta mulher e criança morrendo

 

Só posso mesmo, pedir ao Senhor Jesus, que olhe estas filhas Sua

Que mande alguma luz, para que alguém as possa tirar da rua

Não as deixe sofrendo tanto estes males, que a vida, fria e crua

Impôs a quem não tem berço de ouro, que só tem...uma sargeta, fria e dura....

 

 

Comentários2

  • Elfrans Silva

    Dramas, dilemas, tragédias e indiferenças. Há entidades de reabilitação e ressocialização, mas... quase calados , por " motivos" diversos. Parabéns pelo tema relembrado. É a poesia pondo o dedo na ferida . Solidariedade. Valeu poeta Ary Bueno. Abraços

  • Maria dorta

    Que bom voltar a te ler Principe Ary! A isso se chega nesta nossa sociedade capitalista: seres humanos se vendendo e o pior: aí da tem gente comprando! Tão grave a oferta quanto a procura! Onde a vergonha na cara?

    • Ary Bueno [ O Príncipe dos poemas e do amor]

      Obrigado amiga, por suas generosas palavras, e por tão lindo comentário. É o comentário o mais gentil tipo de "aplauso", que recebo e que acalenta meu coração, para continuar a escrever e a
      tentar melhorar cada vez mais. Sei que estou em falta com meus amigos, na parte de leitura, mas como vivo só, tenho os afazeres diários com a casa, com as refeições, panelas a lavar [ que é um tormento, roupas etc. Além de ter que ir a padaria, mercado, banco, etc. e como tenho alguns locais para postagem, que somam mais de 2.300 visitas dia, que recebo, fica pouco tempo para
      mim. Mas faço questão absoluta de responder aos que aqui neste espaço me dão tanto carinho e tão lindos comentários, que não posso deixar de responder. Fica aqui meu abraço fraterno e minha gratidão a ti e a todos meus leitores. Ary



    Para poder comentar e avaliar este poema, deve estar registrado. Registrar aqui ou se você já está registrado, login aqui.