Antitese

Maria dorta

Te vi e gostei! Eras um astro novo brilhando no meu céu. Que traria tua luz,fogaréu aos dias meus,sequer cogitei! E,nao mais que de repente, como chuva fresca caistes do ceu, semente nova,na terra seca caistes fertilizando a charneca dos dias meus. Ousei e quis ser tua E te lfazer meu troféu. E nós amávamos e emvriagav'amos de um modo tao surreal! Amlei minha coragem de quebrar,da idade preconceitos. Teríamos esse direito? Ousei me livrar dos medos das amarras e dos próprios demônios e conceitos meus. Entreguei- me e fui tua sem veu nem solideu. 30 anos nos separavam mas,corpos sedentos se saciavam, na horizontal tudo se igualava! Seria só um caso? Mero acaso? Ou duas almas sedentas,se reencontrando se reconhecendo no mesmo compasso vivendo? Não importa! Fizeste- me galgar ao céu! Vivo bem meu agora. Podemos construir uma história. Tentar o velho e o novo juntar numa sinfonia bem singular. Sem medo da língua do povo,histeria popular. Não deixar o lume apagar. Uma glória! E cuidar que seja eterno,enquanto durar. Ou até ver se seu poder sobre mim vai se eternizar Ou quem sabe,logo esvanecera'! Maria Dorta 12-12-2020
  • Autor: Maria dorta (Pseudónimo (Offline Offline)
  • Publicado: 12 de dezembro de 2020 16:18
  • Comentário do autor sobre o poema: Memórias a registrar.
  • Categoria: Não classificado
  • Visualizações: 17

Comentários6

  • CORASSIS

    A nobre é singular e verdadeira !
    o amor é eterno , o grande amor ,será ao certo sempre possível !
    Parabéns! poema com pintura alegre.
    Abraços.

  • Maria dorta

    Grata pela leitura e comentário amigável.

  • Hébron

    Te vi e gostei...
    Texto de intimidades e de coragem de se viver, Maria dorta. Não há limites para se viver!
    Abraço

  • Maria dorta

    Verdade,Hebron. Nem limites para a criatividade,nem pra gostar e querer nossas fontes de prazer.Grata!

  • Edla Marinho

    Não há, poeta Maria Dorta,limite para amar e se entregar. Amei.
    Meu abraço

  • Jose Fernando Pinto

    Lindo texto minha querida! Parabéns!



Para poder comentar e avaliar este poema, deve estar registrado. Registrar aqui ou se você já está registrado, login aqui.