Roberto Pacheco

Sobre Saúde

 

Para que tanto medicamento de uso controlado?

Descontrolados.

Apenas para emagrecer?

Acorde cedo, antes do amanhecer.

Comece a andar... Depois a correr.

 

Feche a boca para os açúcares e as gorduras sorrindo.

Aprenda a comer tranquilo.

Pare com a gula, não a confunda com o prazer de comer.

Livre-se da culpa que está em você.

E inclua na sua rotina mais livros de poesia do que receitas para emagrecer.

 

Para que tanto medicamento cruzado?

Iatrogênico.

Apenas para anestesiar a dor crônica do corpo fadigado, envenenado, somatizado?

Acorde para a vida... Ela não é só dinheiro, meta e trabalho.

Comece a respirar... Depois realmente a viver.

 

Feche o acesso para o negativismo agradecendo.

Aprenda verdadeiramente a descansar dormindo.

Pare com as coisas desnecessárias, não as confunda com as realmente necessárias.  

Livre-se das drogas abusivas do dia a dia e enfrente seus medos de cara limpa.

E inclua na sua apertada agenda:

Você.

Comentários3

  • Maria dorta

    Belo poema,melhor que medicamentos, você não só é poeta mas um bom " doutor"...vou ser sua seguidora!

    • Roberto Pacheco

      Bom dia, Dorta!
      Grato pelas palavras... muita gentileza.
      Há tempo dedico-me ao estudo das medicinas/terapias naturais, tradicionais e orientais. E é claro, elas estão diretamente relacionadas com o estado da arte e com a poesia. Saúde transcende tomar medicamentos aleatoriamente, não é mesmo?
      Forte abraço
      E excelente final de semana
      Roberto

    • lucita

      Obrigado pela partilha, que instrua muitos de nós!

    • Jose Fernando Pinto

      Excelente texto Roberto! Diz muito em poucas e claras palavras, parabéns!

      • Roberto Pacheco

        Obrigado, José!
        Fico feliz que tenhas gostado...
        Forte abraço
        Roberto



      Para poder comentar e avaliar este poema, deve estar registrado. Registrar aqui ou se você já está registrado, login aqui.