JUCKLIN CELESTINO FILHO

BRASIL, SUA BANDEIRA É VERMELHO-SANGUE (20/11/2020)

Que bandeira havemos

De hastear na "gávea"?

Dizem que "nossa bandeira 

Jamais será vermelha".

Mas é rubra de vergonha

De tanto  sangue derramado

De  irmãos

Da "Patria Amada Brasil"!

Chora , geme, 

De dor -- freme 

A brisa!

Não mais o anelo 

De um cantar

Vibrante e belo,

A sussurar 

Na tarde amena,

Ao vento errante acena

A musa  que, encimesmada

E triste,

A medo assiste,

0 pavilhão 

Verde e amarelo 

Manchar-se

Em vermelho-sangue.

O rubro que  jorra

Das  vergastadas

Infamamente aplicadas 

No lombo de mais  um filho

Deste pátrio-chão,

Covardemente surrado,

Ate a morte asfixiado!

 

Brasil, que infâmia, pais

Que não pode ,

No concerto da história,

Depois de ter enlameado

Sua gloriosa trajetória,

Ser chamado 

De justo, hospitaleiro,

De  pátria

De todos os brasileiros!...

A tormenta explode!

Edita-se o quadro crudelissimo ,

 Por demais  infame,

De horror que sobremaneira 

Qual peste se alastra

Sobre a terra brasileira --

 Um novo

"Porão,

Apertado,

Infecto, imundo, o arrasta

No turbilhão 

De misérias

Ao   Navio Negreiro" 

Da época inglória

Da escravidão,

Que a memória 

Deste torrão avilta -

E  à gente pobre brasileira,

Escrava desta triste nação,

Continua ainda,

Gigante adormecido 

Aos queixumes !...

0 pobre povo

Sofre, coitado:

Amordaçado, manietado,

Entregue à  própria sorte --

Acorrentado à  sua infeliz 

Sina

De um viver que é  morte

Em vida --

Padecendo de fome,

Sucumbindo à  privação 

De necessidades

Básicas em danação 

Que embrutece, alucina!....

Impotente ,

Escravizado,

Que não vive, vegeta,

Enquanto mais infâmias  

Se projeta

Contra essa pobre gente!

 

Pindorama , vivendo

Ainda na escravidão!

Dando margem 

À perpetuação 

De crueldades!

Seu pavilhão 

 Auriverde,

Transmudou-se em rubro, 

Vermelho-sangue

De alguns  filhos

Deste pátrio-chão ,

Chicoteados ate a morte,

Ou assassinados

Por  asfixiação,

Enquanto assiste passivamente 

À tamanha atrocidade

Que aqui campeia 

Vez ou outra, e enlameia

Sua história  Brasil:

Manchada pelo 

Sangue inocente,

De sua pobre gente!

 

 

 

 

 

Comentários1

  • JUCKLIN CELESTINO FILHO

    Este é o Brasil que me envergonha! O pais da infâmia que faz com que , uma pessoa negra, seja barbaramente assassinada por dois seguranças da Carrefour!
    Não é este Brasil que quero! O Brasil assassino!
    Ainda, o vice-presidente diz "que não existe racismo neste país"!
    Meu repúdio! Minha indignação!
    Em versos de dor, deixo meu protesto:
    Brasil, sua Bandeira é Vermelho-Sangue!



Para poder comentar e avaliar este poema, deve estar registrado. Registrar aqui ou se você já está registrado, login aqui.