santidarko

Raiva Face em punho


O meu conjugar interior,de estranho e humilde pudor,
se permite ir aos prantos,quando em imaginados recantos,
é morto;com o repor de sua proporcionada dor,á minha Alma pôr.

Palavras dissonantes,plasmadas em Sóis radiantes;
Lúmens Estelares em melodias escaldantes;
que aos olhos espelha,deflagrada ogiva centelha.

Ao clarão,
de em paredes,o meu apoiar em mãos,
visualizo,moscas volantes em apinhados grãos,
com Hieróglifos;
em dizeres;de um coração sob ruídos rangeres;agora indeciso.
Ao rir,em um breve ironizo,
me antipatizo,
com seu agora sorriso.


Me dou á alegria,
com um ódio euforia

Comentários1

  • lucita

    Jeito esquisito, mas poeticamente GÓTICO de AMARDIAR ...
    Queria muito entender você menino meigo mal.
    "Seus belos olhos verdes são tão maus quanto verdes???"

    • santidarko

      Olá Lucita!Creio eu...,que você não esteja acostumada com uma abordagem"mais trevosa".Mas tudo bem,respeito profundamente sua opinião!OBRIGADO por aparecer aqui!;)

      • lucita

        KKKKKKK Esquenta não. Não tenho problemas com as diversidades que podem haver nas pessoas.
        Só se torna problema se afeta o direito do outro indivíduo, que não é o caso!



      Para poder comentar e avaliar este poema, deve estar registrado. Registrar aqui ou se você já está registrado, login aqui.