santidarko

Desejos em nó(Almas Vìtreas)

 
Minha Alma vítrea,de sombra transparente
nascera de um igualitário carente.

Rendida,subtraída;
desde os primogênitos prantos polidos,
aos primeiros pisares sofridos.

O uivo que em mim habita,
é do desejo de outrem levado,aclamado;
ao meu cálido orbita.


Mas o Mundo,em esculpido vivenciar,
ao experimento mercanciar;

me cunhas,como uma carpideira choradeira.

 


Vela acesa em rogaria,
a aparatos de uma confraria.




Turvo o fito do pensar,em greda Oca sem janela,
á sequela,
de um filho Eu da matéria;
em dedicado respiro artéria.

Égides sonoros,dos quais privam os desvarios a se embalar;

E ante assim,em louros a se venerar.

 

 De uma Alma em vida,apenas em afastes da miséria.

Uma viril bactéria.

 



Para poder comentar e avaliar este poema, deve estar registrado. Registrar aqui ou se você já está registrado, login aqui.