Sara Stefanie

Feixe de luz

O feixe de luz penetrava em mim.

O sol ardente queimava em meu pulmão.

metanoia

de ter olhado teu sorriso

Quando dei conta de mim estava compulsiva ao paraíso

Era tudo o que eu mais preciso

Caçoando de mim e me retraindo

Dei em mim o êxito pela ocasião eventual

E agradeço deste então pela estrela fadária

O que faz da-lo vigor

É de tê-lo comigo

Tão ébrio de paixão e de ventura

Amo-te como vício e como o sono

Seu néctar de amor já mais se esgota

Nunca se acaba, nunca se termina.

E enquanto arder

Almejo ir-se ao seu lado

E sucumbir na planitude de seu amor

Com o arco da promessa

No azul pintado ao seu lado 

pela paz que gosto de ler e reler em meus sonhos.

Vejo em você o amor de minha vida intensamente

 A escuridão da noite, me sossegada

E é tão pura a paixão de que me inundo

Quanto o pudor dos que não pedem nada.



Para poder comentar e avaliar este poema, deve estar registrado. Registrar aqui ou se você já está registrado, login aqui.