Maximiliano Skol

GARRAFAS E CIGARROS

Segurar com a mão algum cigarro

Se tinha como charme e belo gesto,

E os dedos em postura desse agarro

Se entretinham entre si e sem protesto.

 

Quanta gente esnobou o seu pigarro,

Sem saber do pulmão, se indigesto,

Aceitava essa pompa sem escarro,

Até que um dia o dano é manifesto.

 

E desde então, cigarro é reprimido,

Mas o povo sentiu-se subtraído,

E por compensação gentes exibem

 

Garrafas d' água, em goles... E que ilibem

O saudoso ausente ato de fumar

–Numa atitude nova de esnobar.

 

 

Comentários3

  • Edla Marinho

    A verdade é que era "um charme" o ato de fumar... Até as adolescentes "se achavam", ao segurar um cigarro. Boa reflexão.
    Bom domingo, um abraço!

  • Maximiliano Skol

    Obrigado pela visita, Edla.
    Um beijo.

  • Sara Stefanie

    Maximiliano, eu não o conhecia!, mas passei a gostar bastante do seus poemas quando eu os li. Comentando sobre esse,
    " E desde então, cigarro é reprimido,
    Mas o povo sentiu-se subtraído,
    E por compensação gentes exibem
    Garrafas d' água, em goles... E que ilibem
    O saudoso ausente ato de fumar
    –Numa atitude nova de esnobar."
    Eu não sei se posso concordar com este verso mas muitas pessoas ultimamente se submetem ao cigarro por ter ansiedade e etc.. e ele da um efeito de "relaxamento" (em questões de Química) logo se tornam dependentes dele e é difícil de larga, acredito que o ato de fumar seja muito mais do que só exibição. No entanto, eu entendi o recado do seu poema !. Ficou lindo como todos.



Para poder comentar e avaliar este poema, deve estar registrado. Registrar aqui ou se você já está registrado, login aqui.