Maximiliano Skol

ESCREVO

Escrevo pra mim mesmo... Não importa

Se alguém a mim não lê e nem valor

Oferece ao meu verso, ou não suporta 

Minha esdrúxula prosa a meu favor.

 

Meu nome em mídia alguma me reporta,

Sequer antologia, como autor,

O meu trabalho, alí, ninguém aporta...

Nada disso me causa dissabor.

 

Escrevo, porque vivo e porque penso...

É como o respirar, tão necessário,

Sem esforço, de um modo involuntário.

 

Escrevo, pra mim mesmo, neste imenso

Duvidoso existir que tudo invade,

—Não me cabe ensinar qualquer verdade.

Comentários3

  • Edla Marinho

    Eu também, escrevo por necessidade de falar a mim mesma. Gosto e me incentivam, os comentários, porém não escrevo pra agradar a ninguém.

    • Maximiliano Skol

      Verdade, Elda. Expomos o que sentimos independente do juizo crítico de outrem.
      Um abraço.

    • Shmuel

      Gostei das verdades em seus versos.
      Somente minha humilde opinião abaixo.
      Um tesouro tem muito valor quando descoberto. O mesmo tesouro no fundo do oceano, ou enterrado não tem nenhum valor.


      • Maximiliano Skol

        Foi só uma retórica poética, Shimuel.
        Todos nós temos a vaidade de aparecer
        Um forte abraço

      • Marcos Valerio de Souza

        E eu escrevo para você, poeta: que maravilhoso seu soneto!

        • Maximiliano Skol

          Prazer imenso receber a sua apreciação, Marcos.
          Muita condescência sua.
          Um abração



        Para poder comentar e avaliar este poema, deve estar registrado. Registrar aqui ou se você já está registrado, login aqui.