Harpyja

Filofobia

Antes, eu pensava se queria.

Hoje eu quero,

mas penso que talvez não deveria. 

Encontrei a resposta nas minhas mãos e a pia,

a água fria que fluía,

escorria por entre os meus dedos, 

ao som do Masego

como as horas do meu dia.

Enquanto eu refletia essa ironia

nascia outra poesia, elas nascem todo dia.

-Sorria Harpyja!- ela me dizia e sugava a minha dor

ao mesmo tempo em que crescia. 

Eu sabia.

A minha covardia eu já conhecia,

só não entendia por quê a fé não morria

afogada na melancolia da tarde vazia,

na nostalgia das manhãs de sol

que eu quase nunca via.

Acordando ao meio dia

fugindo da correria,

fingindo que não sentia,

sentindo que eu nem existia.

Pedindo anistia no reino da hipocrisia 

que eu tanto julgava errado,

errante eu era e mentia!

Antes era pena da vida que eu vivia,

agora que pena, a vida passava

enquanto eu dormia, eu morria.

Quem diria, eu não queria me expor a dor

e esse medo doía. 

Eu tinha remédio pra tudo menos pro que me afligia, 

o espelho assustava e eu não me reconhecia,

eu corria.

Eu não entendia nada, mesmo assim o peito ardia, 

os olhos ardiam.

A face molhada, a água salgada fluía... 

Busco companhia mas a solidão vicia.  

Comentários3

  • Hébron

    Seu poema é muito bom!
    Deslizei pelos versos de muito bom gosto.
    Uma reflexão suave, mas profunda...
    Abraço

    • Harpyja

      Obrigada Hébron! Abraços

    • Nogueira_greg

      Um prato de bistrô italiano. O título, representa um impacto que atrai a pessoa a querer consumir o conteúdo que, por sinal, está saborosíssimo. Parabéns

      • Harpyja

        Obrigada!! Saboreio esses comentários e me satisfaço em saber que meus versos tem alimentado a sua alma. Gratidão ..

      • lucita

        Nossa! Minha menina está aprendendo com a dor...
        Você é muito forte poetisa!
        Te amo filhota!

        • Harpyja

          Obrigada mãe. E obrigada também por sempre me incentivar a buscar cultura e educação. Te amo muito ..



        Para poder comentar e avaliar este poema, deve estar registrado. Registrar aqui ou se você já está registrado, login aqui.